Servidora federal com depressão terá o direito de trabalhar em Anápolis

Conforme a decisão judicial, ela estava lotada no Acre e sofre por ficar longe da família

Rafaella Soares -
Cartório Eleitoral de Anápolis. (Foto: Reprodução)

Uma servidora pública do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Acre conseguiu uma vitória da Justiça Federal para ser transferida para o Cartório Eleitoral de Anápolis.

A mulher, que atuava no local desde 2006 e vivia sozinha, teria sido diagnosticada com depressão, síndrome do pânico e ansiedade, desenvolvidos após ser vítima de um abuso sexual na adolescência. No entanto, os tratamentos realizados não estariam causando resultados positivos.

Conforme o site Rota Jurídica, consta na decisão judicial que, nos últimos cinco anos, a servidora precisou apresentar 18 atestados de afastamento e 11 deles eram referentes à questões psiquiátricas.

Inicialmente, o pedido para a transferência foi indeferido, já que Rio Branco, a capital acreana, oferece tratamentos especializados.

Porém, o advogado Sérgio Merola, representante do caso, defendeu que a proximidade com a família, que vive em Anápolis, seria crucial para a estabilidade clínica da mulher, uma vez que poderia receber mais apoio e mais cuidados.

Um lado da Junta Médica Oficial, segundo a juíza federal Flávia de Macêdo Nolasco, também teria sido taxativo em concluir que havia sim a necessidade da remoção da servidora.

A decisão de permitir que ela fosse transferida para Anápolis foi confirmada pelo juiz federal Umberto Paulini, da 21ª Vara Federal Cível da Seção Judiciária do Distrito Federal (SJDF).

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.